Posts na Categoria: Eleições 2012

Em nota, PT se posiciona pela neutralidade em São Luís

NOTA À SOCIEDADE DE SÃO LUIS

Em relação ao 2º turno das eleições municipais de São Luís, o Partido dos Trabalhadores (PT) vem a público comunicar que:

1. O PT sai fortalecido das eleições municipais em São Luís, consolidou o nome de Washington como liderança política, retomou sua representação na Câmara de Vereadores, além de ter contribuído para a construção de um amplo campo político na cidade.

2. O candidato Washington, cumpriu um papel importante de representar legitimamente o PT na perspectiva de viabilizar projetos e programas em parcerias com os Governos Federal e Estadual. O Partido dos Trabalhadores fez uma campanha limpa, propositiva e sustentada em um programa democrático-popular para São Luís.

3. Nesse sentido, o PT compreende que as duas candidaturas postas para a disputa do 2º turno da eleição não atendem ao projeto político e de sociedade apresentado pelo Partido dos Trabalhadores na campanha.

4. Por isso, o PT e o candidato Washington, em total consonância com a Direção Nacional do partido, não apoiarão nenhum dos dois candidatos no pleito de 28 de outubro.

São Luís (MA), 08 de outubro de 2012.

Executiva Municipal do Partido dos Trabalhadores

PT aumenta número de prefeituras no país

O resultado final do primeiro turno das eleições mostra que, entre os grandes partidos, apenas PT e PSB conseguiram aumentar o número de prefeituras no Brasil, em relação aos eleitos em 2008.

O PSB foi o que teve maior crescimento: 40%. Saiu de 310 prefeitos em 2008 para 436 agora– e disputa o segundo turno em outras seis cidades: Fortaleza (CE), Cuiabá (MT), Campinas (SP), Porto Velho (RO) e Uberaba (MG).

Já o PT cresceu 12%, indo de 558 prefeituras para 624. O partido, porém, é o que disputa o maior número de municípios em segundo turno: 22.

Os petistas continuam na briga em Rio Branco (AC), Vitória da Conquista (BA), Fortaleza (CE), Montes Claros (MG), João Pessoa (PB), Niterói (RJ), Diadema (SP), Guarulhos (SP), Mauá (SP), Santo André (SP), Salvador (BA), Contagem (MG), Juiz de Fora (MG), Cuiabá (MT), Cascavel (PR), Maringá (PR), Ponta Grossa (PR), Petrópolis (RJ), Pelotas (RS), Campinas (SP), São Paulo (SP) e Taubaté (SP).

Todos os demais grandes partidos elegeram menos prefeitos agora do que na última eleição. O que mais perdeu foi o DEM, que caiu de 495 para 271. Em compensação, o PSD, que saiu de um racha do Democratas e disputou agora sua primeira eleição, fez 493 prefeitos e já é a quarta maior legenda em número de prefeituras, atrás apenas do PMDB, do PSDB e do PT.

PMDB e PSDB, embora continuem com o maior número de cidades entre todos, saíram menores das urnas ontem. Os tucanos, seguindo uma tendência que vem desde 2008, recuaram de 791 municípios para 689. Já os peemedebistas caíram de 1.204 para 1.019.

Entre os que permanecem disputando no segundo turno, além de PT (22 candiadatos) e PSB (6), estão PSDB (17), PMDB (16), PDT (8), PSD (5), PCdoB (4), PP (4), PR (3), PPS (3) PTB (2), DEM (2), PV (2), PSOL (2) e PRB, PTC, PSC e PRTB (todos com um cada).

Veja abaixo como ficou o quadro de prefeituras no país em relação aos grandes partidos:

PMDB – 1.019 eleitos, 16 no segundo turno (1.204 em 2008)

PSDB – 689 eleitos, 17 no segundo turno (791 em 2008)

PT – 624 eleitos, 22 no segundo turno (558 em 2008)

PSD – 493 eleitos, 5 no segundo turno

PP – 463 eleitos, 4 no segundo turno (554 em 2008)

PSB – 436 eleitos, 6 no segundo turno (310 em 2008)

PDT – 308 eleitos, 8 no segundo turno (351 em 2008)

PTB – 293 eleitos, 2 no segundo turno (415 em 2008)

DEM – 271 eleitos, 2 no segundo turno (495 em 2008)

PR – 271 eleitos, 3 no segundo turno (384 em 2008)

PPS – 118 eleitos, 3 no segundo turno (130 em 2008)

Dados do TSE

Debate se torna a maior expectativa das eleições em São Luís e pode definir segundo turno

Da coluna Estado Maior

Cada candidato se prepara à sua maneira para o debate da TV Mirante, na próxima quinta-feira. Abaixo, o perfil de cada um para o programa:

João Castelo (PSDB): é o mais experiente dos candidatos, acostumado a debates de todos os tipos. Deverá utilizar esta experiência para controlar o debate. Mas é também explosivo e irritadiço, e pode perder o controle diante de questionamentos mais incisivos.

Washington Luiz (PT): o vice-governador também tem experiência em debates públicos, após longa carreira no sindicalismo e na militância político-partidária. Vai procurar fazer o contraponto com João Castelo e com o candidato do PTC, Edivaldo Holanda Júnior (PTC).

Holanda Júnior (PTC): é o mais inexperiente dentre os candidatos. Foi vereador sem muita participação no debate político e é deputado federal também sem maiores participações em plenário. Tem treinado diariamente para enfrentar a tensão do programa.

Eliziane Gama (PPS): jornalista, a deputada estadual tem controle absoluto diante das câmeras e preparo como questionadora. Sua posição de franco-atiradora pode favorecer-lhe em uma polarização entre Castelo e Holanda Júnior.

Tadeu Palácio (PP): o ex-prefeito também tem experiência em debates e familiaridade com as câmeras. Mas também é explosivo, a ponto de demonstrar estado de tensão e nervosismo diante de algumas situações. Deve provocar bastante.

Haroldo Saboia (PSOL): é a grande incógnita do debate. Único representante da ultra-esquerda, não deixou claro se partirá para o confronto contra todos os demais candidatos ou se adotará a postura mais light, que vem usando nas entrevistas.

É com este perfil que os seis adversários se enfrentarão no debate da TV Mirante.

Partidos que apóiam Lula soltam nota em defesa de… Lula

 

“O PT, PSB, PMDB, PCdoB, PDT e PRB, representados pelos seus presidentes nacionais, repudiam de forma veemente a ação de dirigentes do PSDB, DEM e PPS que, em nota, tentaram comprometer a honra e a dignidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Valendo-se de fantasiosa matéria veiculada pela Revista Veja, pretendem transformar em verdade o amontoado de invencionices colecionado a partir de fontes sem identificação.

As forças conservadoras revelam-se dispostas a qualquer aventura. Não hesitam em recorrer a práticas golpistas, à calúnia e à difamação, à denúncia sem prova.

O gesto é fruto do desespero diante das derrotas seguidamente infligidas a eles pelo eleitorado brasileiro. Impotentes, tentam fazer política à margem do processo eleitoral, base e fundamento da democracia representativa, que não hesitam em golpear sempre que seus interesses são contrariados.

Assim foi em 1954, quando inventaram um “mar de lama” para afastar Getúlio Vargas. Assim foi em 1964, quando derrubaram Jango para levar o País a 21 anos de ditadura. O que querem agora é barrar e reverter o processo de mudanças iniciado por Lula, que colocou o Brasil na rota do desenvolvimento com distribuição de renda, incorporando à cidadania milhões de brasileiros marginalizados, e buscou inserção soberana na cena global, após anos de submissão a interesses externos.

Os partidos da oposição tentam apenas confundir a opinião pública. Quando pressionam a mais alta Corte do País, o STF, estão preocupados em fazer da ação penal 470 um julgamento político, para golpear a democracia e reverter as conquistas que marcaram a gestão do presidente Lula .

A mesquinharia será, mais uma vez, rejeitada pelo povo.

Rui Falcão, PT

Eduardo Campos, PSB

Valdir Raupp, PMDB

Renato Rabelo, PCdoB

Carlos Lupi, PDT

Marcos Pereira, PRB

Em Manaus, Lula diz que Arthur Virgílio ‘não gosta de pobre’

Apesar das dificuldades para falar e com aparência cansada, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não poupou esforços para atacar na noite desta quarta-feira um dos maiores opositores de seus dois governos, o ex-senador Arthur Virgílio Neto (PSDB), candidato a prefeito de Manaus (AM), e pedir votos para sua candidata na capital, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB).

Durante um comício que durou cerca de 20 minutos na zona leste da capital amazonense, uma das maiores regiões da cidade, Lula disse a Vanessa que, mesmo se não a conhecesse e soubesse que Arthur Virgílio era o principal adversário dela na eleição, ele viajaria a Manaus para pedir votos para a senadora e derrotar o opositor tucano.

– Eu daria um jeito de lhe apoiar (Vanessa) se eu soubesse que seu adversário é quem é (Arthur) – alfinetou Lula. Atualmente, Vanessa está em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto, e Arthur, em primeiro.

Em 2010, a senadora comunista conseguiu uma vaga no Senado com o apoio de Lula e também da presidente Dilma Rousseff (PT), na época candidata ao cargo. Em seu estado, ela teve como aliado o ex-governador Eduardo Braga (PMDB), hoje líder do governo. Com a ajuda dos três, a então deputada federal conseguiu desbancar Arthur Virgílio na disputa ao Senado.

Nesta quarta, Lula disse que, durante seu governo, sofreu ataques agressivos, referindo-se a Arthur Virgílio, e lembrou de um pronunciamento do tucano no qual ele ameaçava dar “uma surra no ex-presidente”.

– Agora eu entendo porque ele quis me bater naquela época. É porque ele já tinha batido em camelôs aqui em Manaus – disse, referindo-se ao episódio que ocorreu na administração de Arthur quando ele foi prefeito de Manaus (1989-1992), e tentou tirar à força vendedores ambulantes do Centro da cidade com a ajuda da polícia.

Lula insinuou ainda que Arthur não gosta de pobre, citando uma célebre frase do general João Baptista Figueiredo, presidente durante o regime militar, que disse preferir o ‘cheiro de cavalo ao do povo’.

– O que me parece é que esse senhor (Arthur) não gosta de pobre e não suporta o cheiro de pobre – afirmou.

Ao final do discurso, Lula pediu para que os eleitores de Vanessa trabalhassem duro na campanha da candidata e tentou fazer um alerta aos correligionários da candidata sobre o ex-senador tucano.

– Cuidado com ele, ele é agressivo. Daqui a pouco ele pode bater em você em qualquer lugar. Essa campanha não está ganha, é preciso trabalhar – afirmou.

No discurso, Lula admitiu ainda que não estava recuperado totalmente do câncer, e observou que não poderia se alongar.

– Em 11 meses, fiz tratamento, mas tenho que ter cuidado na fala – disse.

O ex-presidente disse também que o tumor fez com que ele melhorasse como pessoa.

– Pessoas que passaram o que passei, viram um ser humano melhor. A gente faz muita reflexão sobre o passado, sobre o presente e o sobre o futuro – declarou.

Ainda no comício, o senador Eduardo Braga (PMDB), líder do governo Dilma, alfinetou a imprensa nacional, pediu para que os jornalistas olhassem o número de pessoas que estavam no comício e disse que o ex-presidente Lula está mais forte do que nunca.

– Falam tanta besteira e está aí a resposta. Essas pessoas vieram prestigiar o homem que mudou a história do Brasil – disse. Braga também atacou Arthur e disse que Manaus precisaria dizer “não à agressão, ao desequilíbrio e não à violência”.

Logo após a fala do senador e antes de Lula falar, a coordenação da campanha de Vanessa veiculou um vídeo da presidente Dilma em um telão, no qual ela aparece pedindo votos à candidata comunista.

Agradecendo a presença de Lula em seu comício, Vanessa Grazziotin atacou o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (FHC) dizendo que ele não olhava pelos pobres do Brasil.

– Aquele lá (FHC) só trabalhou para os ricos, precisou vir o presidente Lula para resgatar a dignidade do povo brasileiro – observou.

A reportagem tentou contato com o ex-senador Arthur Virgílio para ouvir a opinião sobre as declarações de Lula, Vanessa e Eduardo Braga, mas as ligações não foram atendidas.

O Globo